Criada marca “Serra da Estrela” para valorizar e promover a região

Marca “Serra da Estrela” vai promover território de forma organizada

Marca “Serra da Estrela” vai promover território de forma organizada

A Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela (CIM-BSE) apresentou, em Lisboa, a marca “Serra da Estrela”, criada para demonstrar a «vontade de um território em marcar a sua posição enquanto destino turístico».

Esta região «precisa de mostrar aquilo que já foi: um destino com força, com dinâmica e que agora se quer reafirmar através de tudo aquilo que tem de bom», desde os percursos pedestres, à gastronomia, à arte urbana, ao património judaico, aos queijos e aos vinhos, defendeu o presidente da CIM-BSE e do município de Gouveia, Luís Tadeu, na apresentação da marca.

De acordo com o autarca, o objectivo da “Serra da Estrela” é apresentar-se «de uma forma estruturada e de uma forma organizada para que, enquanto marca deste território, possa ser apresentada e dada a conhecer aos operadores turísticos não só nacionais como estrangeiros». Este projecto pretende tornar a região num «destino turístico ímpar e conseguir trazer para o território mais turistas e que a sua estadia seja também mais alargada», acrescentou.

Luís Tadeu recordou que este projecto abrange 15 municípios «ricos em património cultural, natural e agora até geológico, reconhecido através do geoparque da UNESCO».

Este projecto representa um investimento de 230 mil euros, um valor que Luís Tadeu considera que será «diminuto face àquilo que vão ser os proveitos para a comunidade».

Por sua vez, o presidente da Entidade Regional do Turismo do Centro, Pedro Machado, explicou que estão «seguramente a reafirmar a marca “Serra da Estrela” com toda a sua pujança». Frisando que a «marca “Serra da Estrela” é, em primeiro lugar, uma marca fortíssima para o mercado interno e para o mercado interno alargado», Pedro Machado apontou ainda que, a partir daqui, podem construir-se «novas camadas, novas nuances no processo de internacionalização».

No evento estiveram também presentes a ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, e a secretária de Estado do Turismo, Rita Marques.

Ao tomar a palavra, a ministra da Coesão Territorial sublinhou a importância dos empresários locais no que toca à valorização do território, explicando que o objectivo «é criar um destino turístico que facilite a vida aos empresários, que traga mais turismo sustentável e traga mais turistas, mas que beneficie os empresários locais e as populações». «O Interior é o país e, enquanto estes territórios não forem bem desenvolvidos, há um potencial extraordinário que o país não está a aproveitar», afirmou. Ana Abrunhosa referiu-se ainda às ex-SCUT, antigas vias sem custos para o utilizador, para reafirmar que «é intenção deste Ministério, deste Governo, ir reduzindo as portagens», gradualmente.

Por seu lado, a secretária de Estado do Turismo sublinhou a importância da valorização do Interior, de forma a que o «território possa ser usufruído em toda a sua plenitude». Rita Marques referiu que «90% das dormidas em Portugal se verificam no litoral» para defender que, «se se quer continuar a crescer em quantidade e, sobretudo, em qualidade tem de se garantir que estas dormidas possam ocorrer noutros territórios que não junto à linha da água».

A marca vai ter ‘site’ e uma aplicação, que vai dar acesso a todos os eventos dos 15 municípios da região e onde vai ser possível os utilizadores criarem as suas rotas.

A Comunidade Intermunicipal, com sede na Guarda, é constituída por 15 municípios: 12 do distrito da Guarda (Almeida, Celorico da Beira, Figueira de Castelo Rodrigo, Fornos de Algodres, Guarda, Gouveia, Manteigas, Meda, Pinhel, Seia, Sabugal e Trancoso) e três do distrito de Castelo Branco (Belmonte, Covilhã e Fundão).

A CIM-BSE refere em comunicado que a marca “Serra da Estrela” tem como objectivo «construir uma identidade e linha de comunicação agregadora», que permita, ao mesmo tempo, «potenciar a sub-região como um todo e promover o património natural e cultural único existente, assim como potenciar o crescimento de fluxos turísticos no país». «Neste sentido, criou-se uma identidade simples, actual e dinâmica, que capitaliza directamente os valores e o espírito do território convidando à descoberta deste destino em estado puro, 365 dias por ano – 366, se o ano for bissexto», explica.

A marca “Serra da Estrela” está enquadrada no Projeto “Produtos Turísticos Integrados”, cofinanciado pelo Portugal 2020, Centro 2020 e União Europeia através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.

%d bloggers like this: