Beiras e Serra da Estrela pede “urgente” clarificação sobre quarentena

O presidente da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela considerou hoje «urgente» a clarificação das medidas a aplicar aos emigrantes e aos cidadãos que chegam à região oriundos do estrangeiro e de outros pontos do país.

Luís Tadeu, que preside à Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela (CIM-BSE) e à Câmara Municipal de Gouveia disse à agência Lusa que «é urgente esse esclarecimento» por parte das entidades competentes, porque os emigrantes «estão a vir de todos os lados» para os concelhos da região, assim como motoristas de transportes internacionais que no final de cada viagem rumam para junto das suas famílias.

«Mas que essa clarificação [sobre as medidas de quarentena profilática a aplicar nestes casos] tenha em atenção as efectivas necessidades que se vivem, nomeadamente em regiões de fronteira que estão a “levar” com a entrada de emigrantes e de pessoas que vêm de outros locais do país, onde se verificam casos graves de infecção», apontou.

O presidente da CIM-BSE considera ainda que os motoristas de transportes internacionais «são uma via aberta para a propagação do vírus [que causa a covid-19] em larga escala, atendendo ao facto de muitas das esposas serem funcionárias de lares de terceira idade».

Por tudo isto, o autarca entende que se não forem tomadas medidas rapidamente, as consequências para a região «podem ser gravíssimas», por não existirem «mecanismos de protecção nas actuações das Câmaras Municipais e das autoridades policiais, que passam a não ter outra ferramenta a não ser recomendar em vez de impor» que sejam cumpridos os períodos de isolamento profilático.

A CIM-BSE é constituída por 15 municípios: 12 do distrito da Guarda (Almeida, Celorico da Beira, Figueira de Castelo Rodrigo, Fornos de Algodres, Guarda, Gouveia, Manteigas, Meda, Pinhel, Seia, Sabugal e Trancoso) e três do distrito de Castelo Branco (Belmonte, Covilhã e Fundão).

Na terça-feira, a delegada de saúde coordenadora da Unidade de Saúde Pública da Unidade Local de Saúde (ULS) da Guarda, Ana Isabel Correia Viseu, determinou que «todos os cidadãos que regressem do estrangeiro e/ou de outras regiões do país permaneçam em isolamento profilático pelo período de 14 dias, a contar do dia da sua chegada».

O comunicado referia que a medida era divulgada «através da colaboração da Comissão Municipal de Proteção Civil de cada município [abrangido pela ULS da Guarda], para actuação imediata».

O distrito da Guarda engloba os municípios de Aguiar da Beira, Almeida, Celorico da Beira, Figueira de Castelo Rodrigo, Fornos de Algodres, Gouveia, Guarda, Manteigas, Mêda, Pinhel, Sabugal, Seia, Trancoso e Vila Nova de Foz Côa, mas a determinação da delegada de saúde coordenadora da Unidade de Saúde Pública da ULS da Guarda apenas abrange 13, ficando de fora o concelho de Aguiar da Beira, que pertence ao Agrupamento de Centros de Saúde do Dão-Lafões.

%d bloggers like this: