Seia avança com medidas de emergência de combate à pandemia da Covid-19

A Câmara de Seia decidiu alocar uma verba de 250 mil euros para medidas de emergência às famílias, instituições e empresas do concelho, devido à pandemia da Covid-19, indicou o presidente da autarquia.

Em declarações ao PORTA DA ESTRELA, antes da reunião de Câmara que hoje decorre por videoconferência, Carlos Filipe Camelo contou que as medidas têm como objectivo contribuir para a salvaguarda da economia familiar, preservação do tecido empresarial e do emprego e auxiliar as instituições no seu trabalho diário de apoio social, face às dificuldades vividas durante o Estado de Emergência.

Entre as medidas está a redução ou a isenção das tarifas diárias de disponibilidade de abastecimento de água, saneamento e resíduos sólidos durante os meses de Abril, Maio e Junho, deixando de entrar mensalmente nos cofres municipais cerca de 90 mil euros.

O Município determinou a isenção total das tarifas de disponibilidade ao comércio, indústria, associações e IPSS, e para as famílias a isenção de 100% da tarifa de disponibilidade da água e de 25% nas restantes taxas fixas de saneamento e resíduos.

«Não tendo a preocupação de correr atrás daquilo que os outros fazem», o autarca salientou que «os nossos actos são actos pensados» e nesta circunstância foi decidido tomar medidas que «desonerassem o orçamento das famílias».

«É uma acção a desenvolver num espaço temporal de três meses» e que pode ser revista, «deixá-la cair ou ter contornos diferentes», referiu Filipe Camelo.

Até ao momento, a Câmara Municipal já investiu cerca de 40 mil euros na aquisição de equipamentos e serviços. Contudo, segundo o autarca, o orçamento municipal «não será beliscado em termos de acréscimo» mas verá «deslizar» de umas rubricas para outras 250 mil euros. Disse ainda que as isenções na factura da água, a serem «levadas ao extremo», por um período de três meses, significará um encargo de 270 mil euros.

Face à evolução do surto em Portugal, a primeira «grande preocupação» do Município de Seia foi «construir e aprovar» o plano de contingência, aplicado às instalações e aos colaboradores. Adiou, a 11 de Março, todas a actividades e eventos organizadas pela Câmara ou em instalações municipais. Depois, todos os edifícios e equipamentos culturais e desportivos foram encerrados, ficando apenas com atendimento presencial ao público o edifício dos Paços do Concelho, que viria a encerrar uma semana depois. Também o serviço municipal de transporte urbano “VaieVem” foi suspenso e foi reforçada a resposta de canais não presenciais, designadamente digitais e telefónicos.

Apesar do acesso às infraestruturas se encontrarem vedadas ao público, «a estrutura municipal encontra-se operacional, funcionando à porta fechada, ficando por esta via assegurada a prestação dos serviços públicos», refere o autarca.

Os colaboradores dos serviços essenciais foram divididos por equipas, «em períodos de 15 dias, de forma rotativa, de maneira a que os serviços estejam sempre em condição de poderem funcionar». O autarca alerta que os trabalhadores dispensados do serviço, que podem ser chamados a qualquer momento, devem manter-se o mais protegidos possível, em regime de quarentena, para quando voltarem ao trabalho «deixarem em segurança os colegas e também todos aqueles que consigo comungam os espaços comuns».

A Câmara articulou com as Juntas e Uniões de Freguesia o encerramento ao público de parques infantis e outros espaços de utilização pública. Num contexto muito próprio em que se vive, foram decretados novos procedimentos na utilização de cemitérios, em que as cerimónias são exclusivas para as famílias, num total de 10 pessoas.

 

Medidas de apoio para pessoas vulneráveis

Filipe Camelo referiu ainda ao PORTA DA ESTRELA que a Câmara Municipal criou equipas multidisciplinares para ampliar o apoio social à população, nomeadamente a pessoas idosas ou com necessidades especiais, com o objectivo de diminuir o contágio por coronavírus.

O plano de acção, que visa a entrega ao domicílio de bens de primeira necessidade e medicação e a execução de pequenas reparações no seu domicílio, «está perfeitamente operacionalizado» e já chega «às quatro dezenas de pessoas». O apoio, segundo o autarca, pode ser requerido através dos números de telefone 238310235 ou 238310237.

Em colaboração com o Ministério da Educação, está a fazer chegar uma refeição aos alunos do Escalão A, tendo requisitado o serviço 36 crianças, e o Centro Escolar de Seia está aberto para receber os filhos dos profissionais de saúde, das forças profissionais e de colaboradoras das IPSS.

%d bloggers like this: